A cidade de Queimados conta, a partir de agora, com uma biblioteca totalmente voltada para a cultura negra, com livros, revistas, artigos e leis com assuntos específicos para promover a promoção da igualdade racial. O local recebeu o nome de Biblioteca de Promoção da Igualdade Racial Nelson Mandela, em homenagem a um dos mais importantes líderes mundiais, ganhador do prêmio Nobel da Paz, falecido recentemente. A biblioteca, que inicialmente conta com 250 exemplares e um computador para pesquisa online, funcionará de segunda à sexta na sede da secretaria de Direitos Humanos e Promoção da Cidadania, na Rua Otília, N° 1495 – Centro, próximo ao Fórum, das 13h às 17h.

A inauguração aconteceu na última sexta (31), na sede da secretaria, e contou com a apresentação de uma Quizomba, que se trata de uma música e dança de origem angolana, apresentada por Rodrigo Senra, presidente do conselho municipal de igualdade racial e Leno, compositor da Vila Isabel. Na ocasião, o artista plástico Avelino de Almeida, entregou para a biblioteca uma pintura a óleo de Nelson Mandela, homenagem ao líder que dá nome ao local.

A inauguração ainda teve como destaque o lançamento da revista Rio Zumbi para o ano corrente, da Superintendência de Igualdade Racial, da Secretaria Estadual de Direitos Humanos, que destaca os avanços da luta pela igualdade racial no estado. O lançamento foi feito pelo assessor da superintendência Rodrigo Correia, que parabenizou a cidade por inaugurar um espaço como este para a população. “Queimados dá mais um passo a frente na questão da Igualdade Racial. Acreditamos que o conhecimento leva ao fim da ignorância e ao fim do preconceito”, destacou.

O coordenador de Igualdade Racial do município, Jorge Dawn, pontuou que a biblioteca é mais uma iniciativa da secretaria para avançar nos Direitos Humanos em Queimados. “Seguindo as determinações no prefeito Max Lemos e do secretario José Ribamar, estamos trabalhando para que o nosso município diminua o preconceito contra toda a cultura de raízes africanas. Inauguramos a biblioteca com mais de 250 exemplares, que a princípio serão apenas para consulta, e já estamos fechando parcerias para receber mais exemplares. Convidamos a população a conhecer o local e, quem sabe, ter o primeiro contato com a história dos negros, sua luta e então poder divulgar a cultura. Assim estaremos contribuindo para um país verdadeiramente de todos”, concluiu Jorge.

O evento contou com a presença do vereador Martchello Fuli, do Fotógrafo do Coletivo de Fotógrafos Negros Jorge Ferreira, o Ferreirinha, Coordenadora de políticas públicas para a mulher, Eliane Leôncio além de toda a equipe da secretaria de Direitos Humanos e Promoção da Cidadania.